CANADÁ TORONTO

E um ano depois…

23 de março de 2018

… A saudade de Toronto continua! <3

Uma cidade criativa, cosmopolita, com pessoas gentis e de tudo quanto é lugar do mundo… Uma cidade fácil de se perder e se achar (rs) e muito fácil de amar também. Esse mês completou 1 ano que fui para o Canadá e relembrar é viver mesmo. Às vezes fico fazendo alguns trajetos na minha cabeça pra não esquecer de certos lugares e caminhos. Tudo bem que eu posso anotar isso em algum lugar, mas é mais pelo exercício… É como se fosse um Google Maps mental, vou caminhando pelas ruas e revivendo as sensações também.

Por exemplo, lembro de um dia em que eu estava procurando um produto para uma amiga, que são esses pratinhos de silicone para bebê, que grudam na cadeirinha. Perto da ILAC, escola que estudei, tinha uma loja chamada BB Buggy bem na esquina. Entrei, perguntei o preço, passei pra minha amiga e no outro dia estava tudo certo pra eu comprar. Cheguei no outro dia, depois da aula, e a loja estava desmontada porque passaria por uma reforma. Simples assim!

Pesquisei no mapa e vi que tinha uma outra loja da marca, mas ficava um pouco longe dali. Isso foi no dia 21 de março, nem pensei em pegar o metrô… Fui caminhando, descendo pra conhecer ruas por onde ainda não tinha passado, admirando prédios enormes e conforme fui chegando perto, conseguia ver as pontinhas da CN TOWER.

Olhando no mapa, entre uma loja que estava em reforma e a que eu estava indo, levaria 13 minutos de carro e 40 a pé. Preferi mil vezes caminhar até lá. E coisas das sensações que a caminhada promoveu que eu me lembro, do vento batendo no rosto, do frio, de olhar admirada para as pessoas e pensando “será que elas sabem o quão incrível é morar aqui?”.  Cheguei cansada na loja, o que me rendeu uma daquelas conversas “nossa, como está frio lá fora… Vim caminhando, tudo bem se eu passar um tempo por aqui?”.

Nesse trajeto eu também lembro de passar em uma confeitaria chamada XO Bisous. Pedi: um Smore Bar, que é uma tortinha com a base de bolacha e chocolate e o topo de marshmellow.  E um suco de blueberry com limão 😍.

E assim, Toronto foi se tornando uma casa temporária, conhecida, gostosa de explorar… Como aquele lugar da infância que lembramos com tanto carinho por saber que vivemos bons momentos ali. No primeiro post dessa viagem, compartilhei um mini vídeo de vários lugares mais por onde passei dá uma olhadinha pra entender do que eu tô falando.

E uma forma gostosa de comemorar essa super conquista pra mim, é mostrando outras imagens que ainda não tinham sido publicadas aqui. Vou aproveitar e falar um pouquinho sobre eles, coisa que também não tinha feito.

Vou começar com um dos lugares onde eu visitei muitas, mas muitas vezes mesmo, a Indigo: Uma livraria linda. A loja da foto fica dentro do shopping Eaton Centre. Ela tem dois andares e além de livros tem várias seções como: papelaria, xícaras / chás / cafés, coisas para casa, algumas de estilo também como meiões de leitura, cachecol, bolsas, brinquedos, acessórios para bebês e alguns eletrônicos. Ah, tem uma Starbucks também!



High Park: O maior parque público de Toronto. Só tenho imagens dele coberto de neve, lindo , mas por causa do frio não tinha muitas pessoas. Fui com minha amiga Lais e passamos uma tarde congelando por lá. Inclusive, de tão frio que estava nossos celulares desligaram e aí perdemos o ponto (usávamos o maps o tempo todo) onde tínhamos que pegar o ônibus de volta para o metrô. Nisso meu tênis molhou com a neve e eu comecei a congelar, tremer de frio… Quando eu estava deixando de sentir meus dedos do pé conseguimos ajuda 😱

No parque tem várias trilhas/caminhos, eles começam pelas extremidades do parque e  levam para um jardim chamado Leaf Garden, onde tem um desenho gigante da folha símbolo do Canadá. Esse símbolo é feito de plantas, a Maple Leaf e por causa da neve, ele nem aparece. Na verdade a neve queima toda a plantação do parque.

Com o chão todo branquinho, quase não dá pra perceber onde ela começa ou termina. Dá uma olhada em como ela é aqui e como ela estava nesta foto (sim, eu estava bem no meio do símbolo).

Outro momento delícia foi conhecer a EVA’S ORIGINAL uma sorveteria Húngara. O formato do sorvete é bem típico, uma massa modelada no cilindro formando um cone. Ele é frito, passado no açúcar orgânico e depois recebe o sorvete 💜. Os sabores são bem diferentes e vem um bucado, quase uma refeição. Peguei o de berrylicius 🍧

Nesse link aqui, tem outras fotos da sorveteria, endereço e contando um pouco sobre o processo do cone assado.


E teve também aquelas pessoas que fizeram dos meus dias, os melhores (bem clichê assim). Eles foram minha família por 34 dias. Dessas de perguntar como foi o dia, de corrigir quando se fala errado, de contar histórias da infância, de fazer manha, ficar bravinho e tudo! Gina, minha host mom, Michael, Elder, Bilge, Cristian e Lais!


Aquário do Canadá: Um lugar lindo chamado Ripley’s Aquarium, onde tive a coragem de colocar a mão num bicho sem saber o que era e se iria me comer viva #drama.
O Aquário é muito lindo e como no museu, tem atividades até para crianças o que deixa ele ainda mais legal pra visitar em família. Ele fica colado com a CN TOWER, por isso muuita gente visita os dois no mesmo dia. Então tem que ter paciência pra encarar as filas.


Air Canada Centre: assistir Toronto Raptors jogar, e gritar muito mesmo já estando sem voz. Assistir a um jogo de basquete deveria ser uma das atividades para entrar na listinha de “coisas para fazer antes de morrer”. Não só pelo esporte, mas a noite em si é um espetáculo. Imagino que assistir a uma partida de futebol em estádio seja parecido, o clima já é diferente antes mesmo de você entrar no local.

Chegou uma hora em que eu não sabia o que era mais legal, se o jogo ou os intervalos. Nesse dia Toronto Raptors jogou contra o Orlando Magic. Eu comprei um dos ingressos mais baratos, ou seja, sentei perto do teto 😬.

Abaixo, um festival de selfies 👇




CN TOWER: Torre mais alta da cidade. Confesso que quando eu cheguei lá em cima, não achei muita graça. Mas aí percebi que eu estava mesmo era irritada com a quantidade de gente. Todo mundo quer grudar na janela e aí vira aquela disputa por espaço.

Esperei algumas pessoas irem embora e garanti meu pedacinho. Admirei, fiz foto, vídeo, quando vi já tinha se passado 2 horas que eu mal percebi.

Tirei um tempo pra contemplar pequenas coisas! Isso foi na ilha de Toronto – Toronto Island – que praticamente só funciona no verão. A ilha tem moradores, mas os quiosques, lanchonetes, restaurantes, tudo só volta quando o verão chega. No inverno os moradores precisam pegar a balsa e atravessar pra “cidade”.

Num fim de tarde bem tranquilo eu, Lais e Cristian pegamos a balsa pra assistir o pôr do sol e ver as luzes da cidade.


Sem pressa nenhuma para ir embora.


E com isso eu trouxe na mala, todas as lembranças de uma experiência incrível.

A viagem foi feita com a Intercultural daqui de Foz do Iguaçu. Se você também tem esse sonho de viajar pro estrangeiro (rs), passa lá pra conversar com eles 🙂 fiquei março e comecinho de abril lá.

Que lugar do mundo foi especial assim pra você? 🤗

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply